Nesta quinta-feira (9), às 14h, ocorre o lançamento do primeiro movimento da sociedade civil organizada tendo como bandeira de luta a sistematização da infraestrutura de Mobilidade Urbana na cidade. Trata-se da Frente em Defesa da Mobilidade Urbana (FDMU) da cidade de Manaus.

O lançamento integra a programação de audiência pública a ser realizada no plenário Adriano Jorge, da Câmara Municipal de Manaus (CMM). A realização da audiência é da Comissão de Legislação Participativa da Casa (Comlep). O tema central é “Lei de Mobilidade Urbana e inclusão social”. O evento é aberto ao público em geral.

A Frente será integrada pelo vereador professor Bibiano (presidente da Comlep) e representantes do departamento de Geografia e Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), departamento de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Amazonas (Cauam), associação ciclística Pedala Manaus, Instituto Amazônico da Cidadania (Iaci) e Movimento Educar para a Cidadania (Mec).

A proposta do FDMU é de atuar no sentido de lutar pela garantia do cumprimento da Lei Federal 12.587/2012, que trata sobre as diretrizes da política nacional da área. Nesse sentido, uma das reivindicações será cobrar do Executivo a implantação do Plano Municipal de Mobilidade Urbana, até abril do próximo ano, conforme o que está estabelecido em lei. Essa medida deve ser cumprida por cidades com mais de 20 mil habitantes sob pena de deixarem de receber recursos do governo federal para investimento no setor.

Outra bandeira de luta será no sentido de garantir a participação popular no processo de discussão e elaboração do Plano, além disso, Bibiano destaca a necessidade de se implantar ações conjuntas de desenvolvimento urbano, levando em consideração como principal foco a inclusão social.

“O primeiro ato da Frente ocorrerá logo após o seu lançamento, com a entrega ao prefeito da cidade (Arthur Neto), que foi convidado para o evento, de Carta Aberta chamando a atenção para a urgência pela aprovação do Plano e cobrando a participação popular em todo o processo de discussão e elaboração”, diz o vereador Bibiano, o qual complementa. “Caso o chefe do Executivo não compareça, vamos sair da Câmara direto para a Prefeitura entregar o documento pessoalmente”, frisou o presidente da Comlep.

*Com informações do site da CMM.